Ouça ao vivo

Título

Artitsta


Alok anuncia envio de ajuda ao Acre após decreto de situação de emergência

Escrito por em 22 de fevereiro de 2021

Fonte: Uol

Após o colapso sanitário no Acre, Alok anunciou que está em contato com algumas instituições para ajudar a reverter as condições precárias do estado. Em tuíte, o DJ informou que “já foi estabelecida uma contribuição com a Associação do Ministério Público do Acre” por meio do seu instituto.

Reprodução: Twitter

A notícia veio logo após um suposto pedido de ajuda do governador do estado Gladson Cameli (PP) no Twitter. Mais cedo, quando Alok questionou como poderia contribuir com a população, uma conta atribuída ao governador pediu auxílio com doações para cestas básicas.

“As pessoas perderam tudo. Em nome do povo acreano, agradeço a solidariedade”, diz tuíte.

Reprodução: Twitter

O UOL tentou entrar em contato com Gladson Cameli para saber se houve uma conversa entre ele e o músico, mas ainda não obteve um retorno. Caso seja enviado um posicionamento, ele será publicado.

Acre em emergência O Acre vem enfrentando uma de suas maiores enchentes da história. A cheia do Rio Acre já prejudica ao menos 13.700 pessoas em Rio Branco (AC). Cerca de 200 pessoas tiveram que ser levadas para abrigos provisórios.

O transbordamento do rio – o segundo registrado este mês – já atingiu pelo menos 2.900 residências de 24 bairros da capital, agravando a crise sanitária decorrente da pandemia do novo coronavírus (covid-19) e o surto de dengue que a cidade já vinha enfrentando.

O governador do Acre, Gladson Cameli, declarou nesta semana situação de emergência em áreas afetadas por inundações e enxurradas em Rio Branco e em mais nove cidades acrianas (Cruzeiro do Sul; Feijó; Jordão; Mâncio Lima; Porto Walter; Rodrigues Alves; Santa Rosa do Purus; Sena Madureira e Tarauacá).

Também por decreto, o governo estadual criou um gabinete de crise para integrar os esforços de diversas secretarias e órgãos de governo para atender não só às pessoas prejudicadas pelas enchentes e enxurradas, mas também pela covid-19 e pela dengue.


Opinião do leitor

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *